Jovens estudantes britânicos chamados Daanyaal Ali e Chirag Shah de 14 anos, e Muaz Nawaz de 13 anos, criaram uma camisinha pra lá de moderna. O novo preservativo masculino muda de cor ao entrar em contato com algumas doenças sexualmente transmissíveis, como a sífilis e a clamídia. O preservativo chamado de “S.T.E.Y.E.” possui um indicador que revela as infecções de acordo com a quantidade de bactérias presentes.

Os criadores do produto buscavam uma forma de detectar DST’s de forma segura e de maneira não invasiva. Afirmaram que: “Temos certeza que somos capazes de dar paz de espírito aos usuários e permitir que as pessoas vivam de forma mais responsável do que nunca”.

Eles ganharam a categoria inovação em saúde do TeenTech, um prêmio que encoraja adolescentes a explorar o mundo científico, e ainda receberam 1.000 libras de presente e foram convidados a conhecer o palácio de Buckingham, em Londres.

Segundo a OMS (Organização Mundial de Saúde), mais de um milhão de pessoas adquirem diariamente alguma infecção sexualmente transmissível. No Brasil segundo levantamento da Gentis Panel, empresa especializada em pesquisa de mercado, após entrevistarem cerca de 2 mil pessoas de todo o nosso país, concluiu que 52% dos brasileiros nunca ou raramente usam preservativos. E mais, 10% utilizam às vezes, e só 37% se protegem com frequência.

Sendo que a camisinha é o método contraceptivo mais seguro e barato para prevenir doenças e gestações indesejadas…

O Ministério da Saúde aponta que mais de 95% da população conhece a camisinha e reconhece que é o método mais eficiente para não contrair o vírus da AIDS. O que estaria levando nossos jovens e adultos a ignorar a maneira mais prática para evitar tais doenças? Vamos torcer para que essa iniciativa dos ingleses nos deixe mais afeitos a cuidar de nossa saúde sexual.

Beijos e até logo,

Luiza.

No post de hoje gostaria de deixar uma dica para que possamos a cada dia convivermos com as diferenças e termos harmonia em nosso porto seguro que é o que chamamos de lar.

Sendo então compartilharei algumas regrinhas muito especiais:

Dica 1 – Treine todos para servir.

Família é coletividade e a função da coletividade é tornar a vida mais simples e mais fácil. Pense: uma pessoa vai à padaria e compra pão para cinco. Ou os cinco vão cinco vezes à padaria?

O servir é a base de uma constante simplificação da vida. A educação dos filhos deve se basear neste princípio.

Dica 2 – Use palavras nobres para o diálogo e o entendimento ficar mais fácil

O uso de termos nobres permite o entendimento das interrelações entre todas as variáveis da vida. O egoísmo, o rancor e a inveja são incentivados sempre que a realidade fica desconectada. Ou seja, o egoísmo é incentivado por uma visão parcial da realidade.

Regra 3 – As fraquezas dos outros devem ser amparadas

Casal tem muito disso: “Ela me enche com estas coisas sem importância…” Eu digo: “se é sem importância para você e é importante para ela, faça o que ela quer”. Para que discutir por algo que é sem importância?

A identificação destas dificuldades deve ser motivo para amparo, apoio, orientação e sacrifício pessoal.

Nunca uma família vai ser 100%. Para criar uma família recheada de paz e amor deve-se ter claro que haverá desafios. É fundamental haver sacrifício – perder onde o outro não consegue propiciar algo bom. A finalidade do sacrifício é preservar o que é o melhor. Ou seja, perder no varejo para ganhar no atacado. Manter o equilíbrio e poder usufruir do que é bom.

Espero que tenham curtido a série desse mês de junho!!!

Beijos e até o próximo post!!!

Ellen Cristi Ramos

Acho que eu disse para mim mesma umas três ou quatro vezes essa frase no mês que passou.

Não que eu seja uma consumista inveterada, mas vamos combinar? Quem resiste à mega liquidação de sua loja predileta ou às atraentes vitrines cheias de cartazes de desconto nos tentando? Pois é, e aí quando nos damos conta o saldo bancário já está no negativo e as dívidas adiam mais uma vez nossos sonhos e desejos, sem contar que na maioria das vezes o arrependimento surge nos primeiros quinze minutos após o “surto impulsivo” nos dominar.

É preciso que estejamos atentos às armadilhas preparadas pela falta de organização financeira que nos distancia de nossos objetivos e focar numa coisa que não é segredo, mas às vezes a gente esquece: alocar os recursos de maneira sábia para ter controle sobre as decisões. Simples, eficiente e infalível!

Ah! É difícil? Um pouco, mas não é impossível!

Quando não se sabe como ou por onde começar, uma ótima ajuda é pesquisar os inúmeros cursinhos de orientação financeira disponíveis na internet. Há vários gratuitos e um deles deverá agradar e atender às necessidades de quem precisa de auxílio nesse sentido.

É primordial fazer um planejamento realista, baseado em ganhos efetivos, com metas claras e precisas, limites estipulados para cada grupo de despesas, sejam elas pessoais ou domésticas.  Assim, quando a meta daquele item “estourar” será possível visualizar o tamanho da encrenca e decidir se continua ou estanca a sangria.

Lembre-se, isso é uma reeducação orçamentária e como tal deve acontecer aos poucos, sem stress, desespero, choros e lágrimas e deverá ser incorporada à vida como aprendizado e não como castigo.

Passo a passo será possível repensar as escolhas, abrindo espaço para que aquela viagem tão sonhada, a cirurgia plástica mais do que desejada (Olá Dra. Fabiana Valera, espere por mim, ok? Estou chegando!), o almejado imóvel próprio ou até o investimento na previdência privada visando uma aposentadoria mais polpuda, que serão alçados do campo dos sonhos para alcançarem status de deliciosa realidade.

De novo, não é fácil, mas é possível. Eu substituí a teoria pela prática e comecei a me organizar. Acho que vai dar certo! Acho, não, tenho certeza! Um pouco de disciplina, alguma determinação e muita força de vontade serão ingredientes fundamentais para o sucesso dessa empreitada.

Só não vou me isolar do mundo nem me distanciar de todos e de tudo para acumular, pois penso que ter é muito bom e faz um bem danado quando proporciona prazer sem escravizar.

A depilação da genitália feminina pode influenciar a saúde íntima de uma mulher? Fala sobre o seu comportamento? Ou ainda dizer sobre suas escolhas e atividades sexuais?

A Universidade de São Paulo (USP) quer responder a essas e outras questões, com a ajuda de homens e mulheres, para pensar sobre qual é o comportamento que acompanha o ato de se depilar.

Hoje em dia é uma coisa comum a muitas mulheres, porém pouco analisada cientificamente. Por isso pesquisadoras do Ambulatório de Estudos em Sexualidade Humana (AESH) do Departamento de Ginecologia e Obstetrícia da USP de Ribeirão Preto lançaram uma pesquisa sobre a preferência e hábitos de homens e mulheres.

Segundo a pesquisadora Maria Luiza Prudente de Oliveira: “Hoje em dia quase todas as mulheres fazem depilação. A tendência estética, a crença na melhoria da higiene genital ou a preferência masculina parecem influenciar essa prática. Queríamos saber qual a motivação, e concomitantemente, a gente pensou em saber se a preferência masculina responde um pouco a isso”, explica a pesquisadora em entrevista ao site G1. Ela também pretende relacionar grau de escolaridade, idade, orientação sexual e tipo de relacionamento com os dados colhidos. Ela diz: “Também vamos analisar a função sexual, tanto dos homens quanto das mulheres. O que é esperado como hipótese do trabalho é que exista uma confluência entre a preferência masculina e feminina”, diz.

A pesquisa será analisada em duas fases. Na primeira, o perfil de homens e mulheres serão traçados e relacionados com o tipo de depilação preferida.

A partir disso, as pesquisadoras vão cruzar a escolha com o comportamento sexual das mulheres e os possíveis sintomas clínicos que ela pode causar.

Esta pesquisa está disponível na internet, vamos participar?

 

https://docs.google.com/forms/d/1vYrApQ85MK3ulYYa7qTqeXrZeQt97CTE66BODYO60pk/viewform?c=0&w=1

 

Beijos e até logo,

Luiza.

1. Traçar com lápis antes do delineador

Fazer um traço fininho e mais fraco antes, pode te garantir o acerto do gatinho.

2. Papel anti-brilho

Sabe aqueles guardanapos bem macios, tipo de cafeteria? São santos aliados anti-brilho. Tenha sempre na bolsa e pressione no rosto quando sentir necessidade.

3. Deixar a máscara e/ou condicionador agindo durante a noite

Durma com uma toquinha e os fios levemente embebidos do seu condicionador preferido. Enxague bem pela manhã e sinta o efeito diferenciado de deixá-los apenas 3 minutos.

4. Olhos definidos, mas sem peso

Aplique lápis ou delineador preto na linha de cima da pálpebra, e marrom embaixo. O visual fica com um segredo misterioso: definido, porém suave.

5. Aquecer o curvex

Na água quente ou com o secador. O efeito dura mais!

6. Lápis branco

Na linha d’agua para abrir os olhos, ou no canto inferior, se também quiser iluminar e deixar a impressão de que são mais separados.

7. Água

Essa é praticamente a melhor dica para sua aparência: hidratação natural, de dentro para fora.

8. Desinfetar as mãos

Principalmente se você tem a mania de tocar nos cabelos e rosto com frequência, esse hábito pode diminuir a oleosidade da pele consideravelmente.

9. Fazer o cabelo enquanto dorme

Durma com o cabelo preso como um “nó enrolado” no topo da cabeça. Para prender use grampos ou uma meia-calça que é suave e será confortável. Pela manhã, solte-o e aplique shampoo seco na raiz. Isso dará movimento e textura!

10. Lavagem facial alternada

Usar um gel de limpeza suave pela manhã e um sabonete mais específico para o seu rosto a noite, ajuda a não ressecar a pele!

Alterne-os devido a necessidade da sua pele.

11. Hidratante com cor

Faça o seu próprio: misture a base (principalmente se for aquela que você acha mais sequinha) ao seu hidratante preferido e obtenha o seu hidratante com cor, sem necessidade de um novo produto, essa mistura pode dar até mais certo do que qualquer coisa que você já comprou antes

12. Protetor solar

Sempre! Não importa o clima.

13. Mania de hidratante labial

Carregue sempre com você e tenha o hábito de retoca-lo periodicamente.

14. Para sobrancelha fina ou falhada

Esfume sobra marrom. Infalível para muitas cores de sobrancelhas.

15. Aumente a validade de seus produtos

Mantenha sempre limpos suas maquiagens e pincéis. Veja nosso post sobre como fazer a higiene aqui no blog.

Fonte: revista Glambox

Desejaria compartilhar com vocês essa semana uma entrevista muito especial com nosso querido Dr. Moises Groisman, diretor do Núcleo de Pesquisa e consultor do Programa Encontro com Fátima Bernardes em seu mais recente lançamento do seu livro “TERAPIA FAMILIAR BREVE NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA- SEM REMÉDIOS E SEM TERAPIA INDIVIDUAL.

1-Existe diagnóstico de transtorno do déficit de atenção e hiperatividade (TDAH)?

Não. Esse sintoma precisa ser entendido sistemicamente, no contexto familiar, precisa ser redefinido como hiperatenção à família e hipoatenção externa (escola) ou como hiperatenção à mãe, ou ao pai, e, consequentemente pouca atenção às outras solicitações.

2-É possível fazer terapia em uma criança ou adolescente sem a presença constante da família?

A questão que se impõe é que a criança e o adolescente nasce e se desenvolve em algum tipo de família (nuclear, uniparental, multiparental, recasada, adotiva, orfanato). Nesse desenvolvimento ela vai sofrer as influências do ambiente familiar, e essas positivas e/ou negativas vão se traduzir em seu comportamento, que poderá ser disfuncional em algum momento. Essa disfunção, em função do grau – poderá ser até uma patologia psiquiátrica- não deve ser considerada como uma doença individual (da criança ou do adolescente) ou uma entidade separada do todo e consequentemente precisando de uma terapia própria (individual/ ou medicamentosa).

3-Existe depressão na infância ou na adolescência?

Da mesma forma se a criança recebe o diagnóstico de depressão, esse diagnóstico estático precisa ser redefinido, através de um diagnóstico dinâmico – relacional, para uma situação de tristeza daquele cliente como uma metáfora da tristeza familiar.

Beijos e até o próximo post!!

Ellen Cristi Ramos