A caspa ou dermatite seborreica é uma doença de caráter crônico-recidivante que acomete entre 1 e 3% da população geral.

Possui dois picos de incidência: o primeiro, durante os três primeiros meses de vida, e o segundo, a partir da puberdade, atingindo seu ápice entre os 40 e 60 anos de idade. Acredita-se que o fungo Malassezia sp., presente na pele de indivíduos suscetíveis, leva a uma irritação desencadeando ou agravando em indivíduos suscetíveis a dermatite seborreica.

Também foi relacionado ao estresse emocional, hereditariedade e à sazonalidade.

No inverno evite banhos muito quentes!

Dermatite seborreica tem diversos tratamentos. Procure seu médico dermatologista.

 

Pessoas surgem no nosso caminho a todo e qualquer momento.

Algumas ficam por um longo tempo e até perpetuam.

Já de outras, ainda que tenham sido muito importantes, jamais teremos notícias, mas nenhuma nos deixará ileso à sua passagem, mesmo que tenha sido por um curto período de tempo.

Cada uma deixará um pouco dela em nós e levará um pouco de nós com ela.

Tenho a impressão que o universo conspira para que nos encontremos e para que possamos aprender, crescer ou resgatar alguma coisa uns com os outros.

“Ah! Mas nem todo mundo que se conhece é do bem ou me trouxe coisa boa. ”, você diria.

Sim! Claro! Mas a regra vale para o bem e para o mal.

Mesmo aqueles que nos machucaram, que nos deixaram cicatrizes difíceis de serem apagadas, acabaram nos ensinando alguma coisa. E essas lições, ainda que doloridas, sofridas, nos servem como reflexão sobre quem não queremos ser, sobre o que não queremos ou devemos fazer e com quem não gostaríamos de nos relacionar e isso, no “frigir dos ovos” como diriam nossos avós, é um aprendizado e tanto.

Ao longo de nossa existência vamos elaborando nosso comportamento, nossas escolhas, nossa identidade a partir desse mosaico de influência que recebemos daqueles com quem tivemos contato e que nos marcaram, nos transformaram.

A recíproca também é verdadeira: colaboramos com o outro deixando a nossa “pecinha” no mosaico da identidade dele.

Então, se não sabemos em quem iremos esbarrar na próxima esquina e como alguma coisa de nós passa sempre adiante, seria muito bom se nos cuidássemos para que apenas o melhor de nós prevalecesse.

Quem sabe você ainda acaba influenciando alguém de maneira positiva e agregadora e esse alguém vai se lembrar de você com carinho para o resto da vida?

A maioria das disfunções sexuais femininas ocorrem por motivos psicológicos, e algumas das disfunções mais comuns são a falta de desejo sexual, a anorgasmia (não conseguir ter um orgasmo), a dispaurenia (dor durante a penetração), e o vaginismo (é uma contração involuntária da vagina, que impede a penetração).

As causas para tais questões são complexas e singulares, podem advir de processos traumáticos, tanto físicos como emocionais. Uma avaliação multiprofissional deve ser feita até se chegar a um diagnóstico apropriado, psicólogos, médicos e fisioterapeutas podem ser consultados e realizar um tratamento.

Segundo a fundadora e coordenadora do Programa de Estudos em Sexualidade da Universidade de São Paulo (ProSex), Carmita Abdo, as pesquisas comprovam que quase metade das mulheres brasileiras possui alguma disfunção sexual.

Tais disfunções podem ser intimamente ligadas a infância e a juventude, a trajetória feminina é diferente para todas nós e o “ter prazer” nas relações sexuais pode ser considerado como uma coisa ruim, para quem teve uma educação repressora, por exemplo.

Podem haver fatores orgânicos que eventualmente influenciam sobre no prazer, como a diabetes que tem como uma de suas características diminuir a lubrificação vaginal. Quedas hormonais também podem ser destacadas, ocasionadas pela menopausa, inclusive. Medicamentos para depressão, e para emagrecer podem modificar a sua libido também.

Beijos e até logo,

Luiza.

O que antes parecia uma tarefa tão simples e praticamente finalizadora de uma obra, hoje passou a ser algo ao qual devemos ter um pouco mais de cuidado, afinal um descuido pode comprometer todo o resultado da decoração.

rodapé 3

Por isso antes de escolher seu rodapé, verifique itens importante na hora da decisão.

Leve em consideração o tamanho do pé direito, o tipo de piso e o estilo de ambiente.

Muitas pessoas ficam na dúvida sobre como escolher o rodapé, já que o mercado atualmente oferece uma infinidade de opções e materiais, algumas dicas importantes são valiosas nessa escolha!

Dependendo do conceito utilizado no ambiente, o melhor a se fazer para atingir a harmonia é alterar a altura e/ou em alguns casos o material, eu acredito que o rodapé funcione como um item de acabamento e este diz muito sobre o estilo utilizado no espaço, portanto leve em consideração que espaços muito clássicos e rebuscados não funcionam muito bem com rodapés muito contemporâneos e modernos. A menos que você ouse e não se importe com isso!

E o material? Qual material mais adequado na hora de comprar o rodapé? Melhor fazer do próprio piso? Ou comprar pronto em outro tipo de material?

Particularmente não curto a combinação do rodapé feito com o mesmo material do piso, considero feio, sem muito efeito e fora de moda. Mesmo assim se você optar por fazer no mesmo material do piso, execute-o  com o tamanho maior que possa proporcionar um efeito visual mais interessante.

rodapé 1

Até aqui falamos da questão estética, que sabemos ser muito importante. Mas o rodapé serve também e principalmente para vedar e proteger a parede contra batidas de ferramentas de limpeza. Por isso devemos considerar a área que vai receber a instalação dos rodapés.

Outro fator importante! A cor do rodapé… Não! O rodapé não precisa ser necessariamente branco! Você pode optar por cores e até tonalidades mais fortes para dar mais destaque ao ambiente, inclusive essa é uma das tendências atuais!!

rodapé 12rodapé 13

Alguns modelos e dicas!

Rodapé em MDF

Esse modelo pode ser adquirido cru, pintado ou revestido de diversos tipos de acabamentos.

Dica:  Esse não é o modelo mais indicado para as áreas molhadas!

rodapé 10

MDF revestido na mesma cor do piso laminado e com passa-fio,super útil para esconder a fiação dos eletrodomésticos, telefone, internet, etc.

rodapé 9

Rodapé em madeira maciça

Esse modelo é super prático, não empena, não trinca e a vida útil do verniz é maior.Vale lembrar de verificar se a peça recebeu tratamento anti-cupim! Aqui também vale a dica do rodapé anterior, nada de água perto dele!

rodapé 7

Rodapé em porcelanato ou cerâmica

Normalmente é usado o mesmo material que você utilizou no piso porcelanato ou cerâmica. São feitos recortes da altura que você desejar. Para o porcelanato também existem os rodapés já prontos que vem até com frisos.

rodapé 14rodapé 4

Qualquer dúvida ou sugestão sobre esse assunto ou qualquer outro, é só enviar para mim!

Chrisbernardes.fv@gmail.com

Bjs e até a próxima!!

“Squoval” é outro dos nomes “estranhos” que surgem na junção de palavras, assim como o bronde.

No caso dessa tendência, o nome faz referência à mistura de “square”, nosso clássico formato quadrado, com oval, que dispensa explicações, né?

Visualmente, é quase uma unha quadrada, mas com as pontas arredondadas para um acabamento mais natural.

Desejaria compartilhar com vocês nesse mês de Junho, uma série sobre família e de como ela nos influencia nas nossas escolhas e nas nossas emoções. Estarei dividindo a cada post uma novidade.

FamíliaA maior força que comanda as nossas vidas é a Família.

É nela que temos nossas primeiras experiências, e passamos a entender que o desenvolvimento do indivíduo se dá na família e será marcado de acordo com cada etapa que estiver passando: infância, adolescência, idade adulta, velhice e morte – o que nós chamamos de ciclo vital.

Vale ressaltar que toda história de vida que se inicia hoje, ela já se iniciou um dia. O sistema ao qual fazemos parte é uma engrenagem em que cada um joga o seu papel influenciado pelo outro no tempo real e recebendo, ao mesmo tempo, a carga da história familiar do passado.

Sendo então, a família torna-se o lugar ideal para que haja as intervenções terapêuticas que procurem focar na redistribuição da carga colocada em um dos membros, para que todos os seus integrantes, de modo que cada um assuma a sua parcela de responsabilidade no problema ou solução apresentada.

Beijos e até o próximo post!!

Ellen Cristi