Quando falamos em pós operatório, além do repouso e cuidados com a cicatrização, é preciso também prestarmos atenção na alimentação.

Além de bastante água para hidratar o corpo, na dieta do pós-operatório você pode consumir alimentos que sejam ricos em nutrientes, que além de saudáveis, irão ajudar as células a cicatrizarem mais rápido:

Vitamina C

Ela está muito presente na alimentação diária com os sucos, mas na dieta do pós-operatório, o ideal é consumir vitamina C em alimentos in natura para diminuir a inflamação, como frutas cítricas – laranja, kiwi e também verduras como agrião, couve, ou folhas que sejam de sua preferência. A indicação é ingerir de 3 porções por dia.

Frutas vermelhas

Caso você não goste de frutas cítricas, há outros alimentos que auxiliam no processo de desinflamação que podem ser substituídos, como as frutas vermelhas – morango e amora. A indicação também é de 3 porções por dia.

Antioxidantes

Os antioxidantes ajudam a recuperar os tecidos por serem ricos em compostos bioativos. Alimentos como brócolis, repolho, e couve-flor são alguns exemplos que você pode incorporar na sua dieta.

A indicação é ingerir 3 porções por dia ou escolher a de sua preferência e acrescentar 3 pedaços.

Ômega-3

O ômega-3 é um tipo de gordura que nosso organismo não consegue produzir sozinho e só podemos encontrá-lo na alimentação. Ele é importante para acelerar o processo de cicatrização, portanto alimentos como peixes, linhaça, chia, podem ser acrescentados na dieta do pós-operatório, mas sem excessos.

A indicação é acrescentá-los em uma das refeições importantes como café, almoço ou jantar.

Zinco

Para auxiliar numa boa cicatrização, a recomendação é ingerir mais carnes, cereais, fígado e derivados de leite, que são ricos em zinco.

Ingerir carne vermelha e branca, leite com cereais matinais (com pouca adição de açúcar) podem ser interessantes para acrescentar na dieta do pós-operatório. A indicação é ingerir um pedaço de carne médio, aproximadamente do tamanho da palma da mão. Escolha sempre um de sua preferência para cada dia da semana.

Para quem é vegano e não consome carne ou derivados de leite, pode ingerir zinco em cápsulas, vendidos em lojas de produtos naturais.

___________________________________________________________________

Segundo nutricionistas, o que deve ser evitado na dieta do pós-operatório são carboidratos em excesso, alimentos fermentados, bebidas alcoólicas, café e refrigerante, porque todos eles dificultam a chegada dos nutrientes ao local operado, atrasando a cicatrização.

É sempre importante conversar antes da cirurgia com seu cirurgião plástico para que ele possa auxiliá-la nesses cuidados com a alimentação, indicando o acompanhamento com nutricionista, se for necessário.

Fontes: Terra / Bem-Estar / Dr. Adriano Medeiros

Tags:Geral

A Trombose Venosa Profunda, mais conhecida simplesmente como “trombose”, ocorre quando há a formação de coágulo sanguíneo nas veias localizadas nos membros inferiores do corpo, sendo uma das áreas mais afetadas as pernas.

O coágulo formado bloqueia o fluxo do sangue, causando inchaço e fortes dores na região das pernas, podendo ainda se desprender e se movimentar na corrente sanguínea, gerando a embolia em outras partes do corpo, sendo as mais perigosas no cérebro, pulmões e coração.

Embora os índices sejam baixos, a trombose pode ocorrer no período pós-operatório devido ao fato da paciente ficar muito tempo em repouso, prejudicando a circulação.

Mas, então, como evitá-la se é uma recomendação médica evitar grandes movimentações físicas, após a cirurgia plástica?

Buscamos informações de especialistas e selecionamos 5 dicas para você colocar em prática e prevenir os riscos de trombose:

1. Eleve as pernas

Elevar as pernas, enquanto estiver em repouso, é uma técnica e que auxilia o retorno do sangue para o coração, além de diminuir o inchaço. É algo simples e que pode ser feito apenas com algumas almofadas (ou travesseiros) que deixem as pernas com a altura mais elevada que o corpo.

2. Faça massagens

Massagens são relaxantes em diversos momentos e no período pós-operatório não seria diferente. Além de auxiliar contra o estresse, fazer massagens nas pernas diariamente também estimula a circulação sanguínea e evita a formação de coágulos.

Você pode ainda optar por um gel de massagem de sua preferência para facilitar o relaxamento.

3. Procure calçar meia elástica

Uma recomendação medica frequente para evitar trombose no período pós-operatório é calçar meia elástica – também conhecidas como meias de compressão, entre 10 e 15 dias.

Os tipos de meias mais utilizadas são a de média compressão – exercendo em torno de 18-21mmHg de pressão – e as de alta compressão – exercendo em torno de 20-30 mmHg de pressão, tendo a capacidade de comprimir a pele e estimular a circulação sanguínea.

Geralmente, as meias mais utilizadas no pós-operatório de cirurgia plástica são as de média compressão.

4. Medicamentos anticoagulantes

Dependendo das suas condições de saúde e do porte (tamanho) e complexidade da sua cirurgia, seu cirurgião pode indicar o uso de medicamentos anticoagulantes no pós-operatório, seja na forma de comprimidos ou de injeções na pele. Porém, essas medicações só devem ser utilizadas com orientação médica, nunca por conta própria, pois podem ter efeitos colaterais sérios, como hematomas e sangramentos difíceis de controlar.

5. Faça curtas caminhadas

Ainda é possível realizar caminhadas curtas para estimular a circulação sanguínea, caso não existam riscos de romper as cicatrizes. No geral, em cirurgias plásticas mais simples, a retomada das atividades diárias costuma ser liberada pelos médicos em torno de 7 dias depois da cirurgia, desde que não haja grandes esforços físicos, como carregar grandes pesos ou se movimentar intensamente.

Já em cirurgias plásticas com período pós-operatório mais delicado – como na gluteoplastia, abdominoplastia, mamoplastia redutora –, o ideal é seguir a recomendação médica e perguntar ao cirurgião a possibilidade de realizar atividades físicas, pois este fator também dependerá da recuperação de cada paciente.

Fontes: Dicas de MulherTua saúde

Tags:Geral

Posso colocar implante de silicone e malhar? Sim, é bom e saudável, desde que você tome alguns cuidados e respeite o pós operatório para não prejudicar o resultado da sua cirurgia.

Sempre há aquelas pessoas que são mais ativas, que não conseguem ficar paradas, e ficar de 30 a 45 dias em repouso pode ser um sacrifício e tanto, não é mesmo?

Segundo especialistas da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, é importante respeitar este período, evitar esforço com os braços, ombros, costas e obviamente a parte dos seios, pois pode deslocar a prótese ou gerar sangramentos A malhação pode ser retornada aos poucos, com alguns cuidados após este período, essencial para a cicatrização.

Uma dica é começar a fazer caminhadas leves após as primeiras duas semanas da cirurgia, podendo utilizar a esteira de forma moderada após o período de 30 dias. Estima-se que uma cicatrização segura possa chegar a até dois meses, então nesse período é melhor descansar os braços e a região das mamas, mas começar a movimentar as pernas, o que é até saudável. Vale lembrar que, atualmente, as próteses modernas e de qualidade contam com tecnologia para que a cirurgia seja um sucesso e a recuperação mais rápida, permitindo um retorno em menor tempo à vida normal e melhorando a autoestima.

Também é possível experimentar algo mais leve como alguns exercícios de yoga e também meditação, deixando para partir para um treino de musculação, aeróbico, crossfit ou algo do gênero após o período de repouso e a liberação pelo médico.

Embora exista uma média de período de cicatrização, há algumas mulheres que se recuperam mais rápido do que outras. O assunto implante de silicone e exercícios físicos não é igual para todas, por que a cicatrização depende do organismo de cada pessoa.

Portanto, é importante manter o diálogo com seu cirurgião plástico e comparecer sempre às consultas de revisão. Dessa forma ele poderá auxiliá-la melhor durante o período de repouso e aconselhar sobre o momento certo de voltar a fazer exercícios com a prótese.

Após o período de repouso, é indicado utilizar um sutiã justo e confortável ou até mesmo o sutiã pós-cirúrgico para evitar esforço físico muito grande causado por atividades de treinos mais pesados, como a musculação, por exemplo.

Ao contrário do que muitos dizem, nenhum tipo de esporte é restrito para quem faz o implante de silicone, portanto qualquer mulher com prótese pode praticar o esporte que quiser, do boxe à natação, desde que ela tome os cuidados que falamos acima no período pós-operatório.

Fontes: IG / Doutíssima

Já é fato que a expectativa de vida tem aumentado a cada ano. Somado a isso, temos a internet que ajuda a divulgar novos métodos e procedimentos de cuidados com a saúde, aparência e bem estar, além da quebra de tabus ao longo dos tempos. Resultado: aumento de cirurgias plásticas na terceira idade.

Segundo informações publicadas na Revista Exame, uma pesquisa da Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica Estética – ISAPS aponta que a cirurgia plástica na terceira idade tem sido cada vez mais frequente, sendo que 10% das pessoas que procuraram por cirurgias plásticas tinham mais que 65 anos de idade.

Em geral, os procedimentos mais procurados são: lifting facial, abdominoplastia e mamoplastia.

Podemos dizer que o lifting é o número um, já que a face é a parte mais exposta do corpo e, na terceira idade, sofre bastante com o aparecimento de linhas de expressão, rugas e ausência de sustentação na região do pescoço.

A ideia da cirurgia plástica é melhorar o aspecto da pele, suavizar sinais de expressão, sem deixar de lado a naturalidade da beleza que há em cada idade.

Mas num aspecto geral, a tendência é perdemos firmeza e elasticidade da pele, e a cirurgia plástica permite corrigir as imperfeições e resgatar o contorno corporal que, no decorrer do tempo, são afetados pela gravidez,  amamentação, tamanho dos seios, doenças e até mesmo o efeito sanfona derivado de grandes variações de peso.

Cuidar de si e se sentir bem é importante em qualquer fase da vida, mas a cirurgia plástica na terceira idade requer alguns cuidados especiais, devido ao envelhecimento do organismo:

1. Realizar um check up de exames para saber o estado de saúde do paciente.
2. Fazer acompanhamento médico caso tenha hipertensão, diabetes ou algum tipo de doença crônica que possa influenciar na cirurgia, deixando o cirurgião plástico sempre ciente da situação.
3. Deve-se evitar a realização de vários procedimentos ao mesmo tempo, para que o paciente idoso não seja submetido a um tempo excessivo sob efeito de anestesia.
4. Ter mais paciência no tratamento pós-cirúrgico, pois a cicatrização na terceira idade costuma ser mais lenta do que em indivíduos mais jovens, embora a maior flacidez da pele presente naturalmente nos pacientes idosos, muitas vezes, proporciona cicatrizes finais mais discretas, com menor incidência de queloides e alargamentos de cicatriz.

Cabe ressaltar que não existe limite de idade estabelecido para realizar uma cirurgia estética. O que determinará a realização da cirurgia será o estado de saúde da paciente, verificado pela avaliação pré-operatória da sua condição.

Fontes: Exame / Minha Vida

O acesso à internet nos permitiu uma avalanche de conhecimentos.

Hoje em dia ficamos sabendo dos mais diversos procedimentos e lançamentos do mundo da estética quase que em tempo real.

E são diários e aos montes os avanços tecnológicos e novas possibilidades e técnicas disponíveis.

Mais do que nunca a preocupação com a imagem e a busca pelo bem estar estão em alta, podendo ficar ainda mais acentuado em certas fases da vida que envolvem questões pessoais mais delicadas, como separação conjugal, depressão ou perda de um ente querido.

Porém, buscar uma cirurgia plástica nesse período complicado pode ser perigoso.

Quando uma pessoa está abalada emocionalmente, ela pode não conseguir distinguir se realmente precisa daquele procedimento ou não, se quer ou não, podendo se arrepender ou mesmo agravar o problema que está passando, pois o resultado esperado tende a não ser o obtido já que está passando por momentos delicados e busca uma fuga.

A orientação dos especialistas da área é que o paciente primeiro resolva suas questões emocionais a fim de que esteja apto a tomar a decisão mais acertada, sabendo bem o que deseja. Muitos pacientes procuram o consultório de um cirurgião plástico para tentar resolver problemas de ordem emocional – como tentar salvar um casamento, conseguir de volta um emprego, obter atenção de alguém por quem se sinta atraída, ou então de amigos e familiares.

Realizar uma cirurgia plástica raramente irá resolver algum desses problemas, e isso poderá levar a uma grande frustração e consequente insatisfação com o resultado e com o dinheiro e o tempo despendidos para o procedimento. Portanto, se o paciente estiver mentalmente abalado, deve evitar procurar uma cirurgia plástica estética. É mais seguro procurar ajuda psicológica para se estabilizar emocionalmente antes de tomar a decisão de operar, para não haver arrependimentos posteriormente.

Fontes: RBCP / Pró corpo e estética.

Muito se fala em programar cirurgias plásticas para o inverno.

Algumas pessoas chegam a acreditar que não se deve operar no verão e acabam tendo dúvidas a respeito disso.

No Brasil, o verão é justamente quando as pessoas costumam ter mais tempo de férias/recesso, bem como maiores bonificações salarias que facilitam o pagamento. Além disso, início de ano tem aquela energia de renovação e mudança estimulando as pessoas.

Segundo informações de especialistas vinculados à Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, é possível realizar uma cirurgia plástica em qualquer estação do ano, inclusive no verão. No entanto, o que requer mais atenção e cuidado da paciente neste período do ano é a cicatrização, que pode ser um pouco mais delicada devido às altas temperaturas e à maior exposição ao sol.

De toda forma, qualquer cirurgia plástica exige um tempo de restrição para se expor ao sol, principalmente nas partes mais visíveis do corpo. Em média, o tempo para voltar a frequentar praias e curtir o sol é de dois meses, ainda assim, evitando os períodos em que os raios solares estão mais intensos, como das 10h às 16h.

Temperaturas elevadas, como no verão, provocam o aumento de edema – inchaço corporal – na região operada, e por isso é tão importante a ingestão de líquidos em grandes quantidades no pós operatório. Além disso, quando a pele que está cicatrizando é exposta ao sol, ela não produz melanina (o pigmento natural da pele) nos níveis iguais aos da pele não-operada.

Logo, para evitar uma coloração indesejada (escurecimento) da pele operada no período de cicatrização é preciso proteger a pele com protetor solar indicado para sua pele e também utilizar fita adesiva microporosa (mais conhecida no mercado como Micropore®) – um tipo de curativo utilizado em pele que está cicatrizando. O uso de roupas e acessórios adequados (chapéus, bonés, viseiras, óculos escuros) também auxilia na proteção contra a radiação solar.

Desobedecer às orientações médicas, não ingerir líquidos, descuidar da alimentação e se expor ao sol de maneira incorreta e excessiva pode influenciar no resultado final da sua cirurgia plástica. Evite exposição ao sol em dias muito quentes e use sempre protetor solar. Dê preferência a circular nos horários como o início da manhã ou final do dia ou à noite.

Por vezes o paciente não pode escolher a época do ano para sua cirurgia e precisa que seja no verão. Nesse caso, vale a pena um esforço e dedicação para cumprir o pós operatório da melhor maneira possível. Afinal, será apenas um verão, e muitos outros virão e poderão ser aproveitados.

Fontes: Folha PE / Bg cirurgia plástica