Um novo estudo brasileiro mostra que 90% dos homens e mulheres com mais de 40 anos acreditam que o sexo é importante para a harmonia do relacionamento. Mas, a falta de desejo é uma das principais queixas entre os casais.

Para mais de 90% dos entrevistados do Estudo Populacional do Envelhecimento (EPE), conduzido pela ProSex (Projeto Sexualidade da HC – USP) com mais de 10 mil homens e mulheres acima de 40 anos, o sexo é importante para a harmonia do casal. Mas a maturidade traz mudanças físicas e psicológicas que podem comprometer a qualidade de vida sexual. O EPE também mostrou que, entre os homens, o medo de perder o desejo sexual é tão grande quanto o medo de não ter renda (30,8% versus 30,6%). Outra pesquisa realizada com as pacientes do Projeto Afrodite, do Setor de Sexualidade Feminina da UNIFESP, apontou que as principais queixas das mulheres na maturidade são diminuição do desejo sexual (47%) e diminuição do desejo associada à dificuldade de atingir o orgasmo (18%), entre outras…

Segundo especialistas, os problemas relativos à vida sexual na maturidade estão geralmente ligados às alterações hormonais que ocorrem na menopausa e na andropausa (nome popular do DAEM – Distúrbio Androgênico do Envelhecimento Masculino). Além da queda na libido, essas condições têm entre seus principais sintomas a depressão, irritabilidade, alterações do sono e outros fatores que podem prejudicar a vida afetiva e sexual. Nas mulheres, a secura vaginal e a dor durante o ato sexual também são inimigas frequentes.

Para amenizar os desconfortos ocasionados por estes e outros fatores, e aumentar a qualidade da vida a dois, é preciso além de estimular a renovação do relacionamento, tratar dos sintomas do envelhecimento. Nesse contexto, a terapia hormonal pode ser indicada para o casal.

Quando realizada com acompanhamento médico, a reposição hormonal resolve de forma satisfatória os sintomas do envelhecimento orgânico.

Beijos e até logo,

Luiza.

2 comentários para “Comportamento sexual dos quarentões”

  1. Avatar

    Carlos René de Oliveira

    Na maturidade e, também na velhice, no homem, é evidente que os níveis de testosterona decaem. O desejo de fazer reposição hormonal deve ser muito bem examinado, em face das possibilidades concretas de efeitos colaterais. Este desejo aumenta em face da verificação, pelo paciente, do percentual, marcado no exame laboratorial. Conheço mulheres verdadeiros homens, transformando-se física e psicologicamente, quando tratadas por especialistas pouco cuidadosos. Elas se apresentam musculosas, com alterações na voz, comportamento e não mais menstruam. Para os homens preocupados, o endocrinologista deve orientar que o percentual de testosterona é adequado à atividade sexual, remetendo-o ao exame das condições psicológicas que sanem o súbito desconforto.

    Responder
  2. Avatar

    Carla

    Meu marido e eu temos 52 e 50 anos. Já estou na menopausa, cujos sintomas duraram 1 ano. Meu marido trata diabetes, e só precisamos de paz pra rolar sexo adoidado.
    Nos sentimos saudáveis, e os problemas com o trabalho é o que causa uma inquietação, que procuramos relativizar.
    Estamos nos organizando para fazer meu abdômen com Fabiana! Será um plus para nós!
    Beijos para todas!
    Carla

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.